O agro salva. Se o governo não atrapalhar - Sardenberg Portal oficial

O agro salva. Se o governo não atrapalhar

Coluna publicada em O Globo - Economia 25 de junho de 2020

O agro salva. Se o governo não atrapalhar

Carlos Alberto Sardenberg

Só um país vai escapar da recessão neste ano, a China. Pelo último panorama global do FMI, conhecido ontem, a China vai salvar um crescimento de 1% no seu Produto Interno Bruto. É verdade que, para os chineses, crescer 1% é quase como uma recessão. A média do país tem sido de 6% de expansão anual.

De todo modo, estará no positivo. O resto, no vermelho. Para o PIB global, o FMI prevê uma retração de 4,9%, tudo por conta da Covid-19. Os piores desempenhos são esperados para três dos mais importantes países europeus: Espanha, Itália e França, todos com queda esperada do PIB de mais 12%. Ainda na Europa, o melhor resultado deve ser o da Alemanha, uma recessão de “apenas” 7,8%.

A diferença, de novo, vai por conta do modo como os respectivos governos lidaram com a pandemia. Quem demorou a perceber a gravidade da crise vai pagar mais caro. Quem foi rápido e tinha melhores sistemas de saúde – além de dinheiro em caixa para gastar rapidamente – vai salvar uma boa parte do ano.

Entre os grandes do mundo rico, o Japão terá o resultado menos ruim, uma queda no produto de 5,8%.

Os EUA, cujo governo também se atrasou no reconhecimento da pandemia, deve registrar uma recessão de 8%. Mas dada a flexibilidade de sua economia, tem capacidade de reação rápida.

E por falar nisso, indicadores referentes a junho indicam que Europa e Estados Unidos estão se recuperando mais depressa que o esperado. Para o mundo rico, a expectativa é uma volta ao crescimento já no segundo semestre de 2020. Não será suficiente para salvar o ano, mas para garantir uma expansão de 4,8% em 2021.

E os emergentes, grupo no qual se inclui o Brasil? À primeira vista, parece uma situação melhor: queda do produto de 3,0% neste ano e bom crescimento de 6% em 2021. Mas é basicamente por causa da China, para a qual se espera um poderoso crescimento de 8,2% no próximo ano.

Melhor, portanto, olhar só para a América Latina, e aí o quadro piora: recessão de 9,4% neste ano e pequena expansão de 3,7% em 2021, insuficiente para recuperar o que se terá perdido.

E assim chegamos ao Brasil. A recessão é certa para este ano. Os números variam. Por aqui, os economistas estão prevendo uma queda em torno de 6%. O FMI acha que será pior: um tombo de 9,1%. Mas as duas partes coincidem na previsão para 2021: PIB crescendo a 3,5%.

O que é pouco, considerando-se que o Brasil vinha crescendo em torno de 1% ao ano depois de uma recessão que nos havia levado quase 8% da riqueza nacional.

Há ressalvas importantes para todo o mundo. O vírus continua por aí, de modo que todos os países estão sujeitos a uma segunda onda, que pode piorar o desempenho global. Inversamente, tudo pode melhorar, a começar pelo humor, se os cientistas conseguirem a vacina ou um medicamento específico para a Covid-19. Há pesquisas promissoras.

Voltando ao Brasil, um dado chama a atenção. Apesar de se prever uma queda geral, o agronegócio de novo será salvação da lavoura. Segundo dados do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos do Bradesco, o PIB da agropecuária terá expansão de 2% neste ano, um resultado notável dada a retração geral.

Olhando estritamente para os dados econômicos, as perspectivas são boas para este e para os próximos anos. No momento, a demanda externa é forte, a interna está preservada e o dólar caro aumenta a renda do setor. Não há sinais de que essa combinação positiva se altere significativamente nos meses adiante. Na verdade, segundo o estudo do Bradesco – e de muitas outras instituições, como a FAO – o Brasil já um grande fornecedor global de alimentos e pode aumentar esse papel. As exportações estão batendo recordes.

A maior ameaça está em outro ponto. É cada vez maior em todo o mundo a consciência ambiental, o que exige produção responsável. Por exemplo: rastreabilidade e certificação serão cada vez mais exigidos. Ou seja, será preciso certificar, por exemplo, que soja e carnes, os dois principais produtos, não vêm de área desmatada.

O governo Bolsonaro age na direção contrária, para preocupação do agronegócio responsável.

E para o Brasil crescer além do agro? Muita reforma.

Classifique esse artigo:

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (7 classificação, média: 4,71)
Loading...