Putin  acuado? - Sardenberg Portal oficial

Putin  acuado?

Coluna publicada em O Globo - Economia 19 de março de 2022

Putin  acuado?

 

Carlos Alberto Sardenberg

 

 

As mais recentes declarações de Putin sugerem que ele enfrenta problemas internos com seus aliados no governo e na economia. O ditador russo ameaçou a “quinta coluna” – expressão antiga que designa a ação política de grupos locais em favor de outros países. No caso, russos que estariam passando o que ele, Putin, chamou de falsas informações sobre perdas de seu exército na Ucrânia.

A população russa só recebe informações da imprensa estatal. Jornalistas estrangeiros foram expulsos. Logo, apenas pessoas privilegiadas e com boa posição dentro do sistema de governo podem ter acesso a outras informações – essas produzidas pela imprensa ocidental mostrando os fracassos das tropas terrestres russas e a forte resistência dos ucranianos. É claro que os comandantes russos e o próprio Putin têm essas informações – outro sinal de que há vazamentos internos.

A conclusão não é difícil: ao atacar a quinta coluna, os traidores locais, Putin está nos indicando que membros de seu governo sabem e comentam sobre a real situação da guerra. Estariam presos? Mortos?

Claro, não se sabe, mas pela reação do ditador, surgiu alguma oposição ou resistência a seu comando.

Além disso, Putin fez um ataque direto aos oligarcas, aqueles, afirmou, que não podem viver sem suas casas em Miami ou Biarritz, sem ostras, sem foie gras — e por aí foi. Ora, todos os oligarcas russos alcançaram esse gosto pela vida de ostentação graças à amizade e aos favores de Putin. Se o ditador os ataca tão diretamente, eis aí outro sinal: há oligarcas, os primeiros atingidos pelas sanções econômicas do Ocidente, que estão pedindo o fim da invasão.

Detalhe: entre os que têm casa em Biarritz está uma das filhas de Putin, Katerina Tikhonova, que a herdou de seu ex-marido, Kyrill Shamalov, filho de um banqueiro. A casa foi adquirida de Gennady Timchenko, oligarca do setor de petróleo, um dos mais próximos de Putin.

A mansão, aliás, foi invadida por um ativista francês, que pretende utilizá-la como refúgio para exilados ucranianos.

A população russa não sabe disso. E Putin não está preocupado com essas mentiras. Mas parece, sim, preocupado com rachaduras no seu sistema ditatorial.

No Ocidente, essa situação causa, ao mesmo tempo, alento e preocupação. Alento, porque sugere que Putin pode ser derrubado pela sua própria turma, o que já aconteceu com outras ditaduras.  E preocupação porque um líder totalitário acuado pode desencadear mais violência – tanto interna, quanto externa. Ele tem armas químicas e nucleares.

Como o Ocidente pode reagir? Entregar a Ucrânia de mão beijada, por medo do que Putin possa fazer, seria simplesmente consagrar a ditadura. A OTAN entrar na guerra diretamente, com aviões, por exemplo, pode ser o pretexto que Putin espera para fazer alguma loucura mais raivosa.

Resta o que se está fazendo: armar as forças do presidente Zelensky, fornecer mantimentos e recursos financeiros. Neste último aspecto, é notável a ação de algumas empresas, como a do sistema Airbnb. Pessoas de países ocidentais entram no site e alugam casas de ucranianos, enviando  o pagamento imediatamente. Dinheiro na mão de famílias cujas residências estão sendo atacadas.

Estamos vendo exemplos práticos de algo que se discute há muito tempo por aqui: a responsabilidade moral das empresas. Perdem dinheiro para defender os valores da democracia, das liberdades individuais, do respeito à lei internacional.

Pode parecer romântico, mas é disso que se trata: Zelensky torna-se um  herói mundial, aplaudido em parlamentos de diversos países, pelo seu patriotismo e pela defesa de valores.

Foi o grande erro de Putin. Acreditar no que ele mesmo dizia quando ainda podia participar de reuniões Internacionais, como as do G20: que a democracia ocidental estava morta, que o “progressismo” era uma bobagem e que a União Europeia era um saco de gatos.

Agora, estão todas as democracias unidas contra a ditadura. Resta uma dor imensa: é o povo da Ucrania que está carregando o fardo mais pesado.

Classifique esse artigo:

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (24 classificação, média: 4,88)
Loading...