O vírus espalhado - Sardenberg Portal oficial

O vírus espalhado

Coluna publicada em O Globo - Economia 7 de janeiro de 2021

O vírus espalhado

Carlos Alberto Sardenberg

Quem correu mais riscos no reveillon? As pessoas que se aglomeraram nas praias ou as que trabalharam em festas (clandestinas, claro) promovidas em casas e mansões (cozinheiros, garçons, copeiros, faxineiros, seguranças, motoristas, operadores de som e vídeo)?
Pelo que diz o CDC (Centro de Controle de Doenças, do governo americano, cdc.gov) foram as pessoas que trabalharam e frequentaram as festas.
O CDC oficializou as evidências científicas sobre a transmissão do coronavirus. Entre elas: o risco é muito baixo em atividades ao ar livre; risco muito alto em festas.
Mas considerando os quatro fatores básicos para calcular riscos, o pessoal da praia também se arriscou muito.

São eles, sempre colocando na frente os de maior risco:
1. Interior versus exterior
2. Espaços estreitos vs espaços amplos e ventilados
3. Alta densidade de pessoas vs baixa densidade
4. Exposição mais longa vs exposição mais breve

Há outros dados interessantes que ajudam a avaliar as situações. A carga necessária para a pessoa contrair o vírus é receber 1.000 partículas virais (vp). Na respiração, a pessoa exala mais ou menos 20 vp por minuto. Já na fala, são 200 vp/minuto. Mas se a pessoa contaminada espirra, ela espalha nada menos que 200 milhões de vp, um volume suficiente para permanecer no ar por horas se o ambiente for mal ventilado.
Logo, ficar na praia, tomando distância, em grupos pequenos, o risco é baixo. Aglomerar sem máscaras, confraternizar nos botecos ou barraquinhas, aos gritos e gargalhadas, risco altíssimo.
Acrescente aí o pessoal que tomou o buzão para ir às praias ou para trabalhar nas festas e a conclusão é clara: muita gente, rica ou remediada, festeira ou trabalhadora, espalhou e recebeu o coronavirus. O efeito das comemorações de Natal e Ano Novo já está aí, mas o número de casos e mortes ainda vai aumentar. Com uma desigualdade evidente: os trabalhadores e “populares” vão para a fila do SUS, os festeiros para os hospitais particulares.
Tudo isso para demonstrar que há muito debate inútil por aí. A ciência já conhece o vírus principal (está pesquisando as variações) e já demonstrou como ele se transmite de pessoa para pessoa.
Está provado que quanto mais distanciamento social, quanto mais lockdown, menos contaminações. Sim, há pessoas que precisam sair de casa e tomar transporte público para trabalhar. Há meios de reduzir os riscos: máscaras, lotação reduzida, ambiente ventilado – e é papel dos governos oferecer isso e ordenar o distanciamento onde é possível – até que pelo menos a metade da população esteja vacinada.
A vacinação é tarefa do setor público. Mas uma vez que programas públicos, federais, estaduais e municipais, estejam em andamento, não há razão nenhuma para impedir que hospitais e clínicas privadas vendam as vacinas. É assim que funciona na vacinação anual contra a gripe.
A Agência Nacional de Saúde poderia estabelecer algumas regras para isso – se fosse um governo federal eficiente.
Como não é, podemos esperar muita confusão e judicialização tanto na vacinação pública – governos estaduais podem começar primeiro? – quanto na privada.
Para sermos justos, é preciso notar que também nos países desenvolvidos há problemas e atrasos na vacinação. Por isso mesmo, diante do aumento do número de casos pós festas de fim de ano, governos da Inglaterra e da Alemanha – para citar apenas dois que têm fama de bons serviços públicos de saúde – estão endurecendo as medidas de lockdown e distanciamento.
Deveria ser feito por aqui também. Mas com esse presidente…
E para complicar ainda mais, temos aqui no Brasil um problema muito especial: o fim do auxílio emergencial, sem que se tenha providenciado algo para colocar no lugar. Artigo do economista Alexandre Schwartsman, publicado no Infomoney, mostram estreita correlação entre o auxílio e vendas no varejo (ou consumo das famílias) como fator importante da recuperação desse setor.
E, por óbvio, a queda que deve ocorrer uma vez retirado o auxílio. Sim, o programa é caro, mas poderia ser aplicado um menor, mais direto – mais barato, portanto – e com dinheiro tirado dos privilégios do setor público.
Poderia ….

Classifique esse artigo:

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (17 classificação, média: 4,94)
Loading...