É tudo conspiração - Sardenberg Portal oficial

É tudo conspiração

Coluna publicada em O Globo - Economia 27 de fevereiro de 2021

É tudo conspiração

Carlos Alberto Sardenberg

Não, o presidente da República não precisa entender da formação de preços de combustíveis, muito menos saber de quantas agências o Banco do Brasil necessita para funcionar de modo eficiente. Mas deve ter um mínimo de conhecimento geral de economia e administração para ao menos entender as explicações das pessoas capacitadas que coloca em seu governo. E, sobretudo, nunca sair por aí falando de coisas que ouviu por aí.

Isso, em circunstâncias normais. Acrescente ao quadro um presidente que acredita estar cercado de conspiradores – e, pronto, eis o desastre Jair Bolsonaro.

Ele não quer saber se os preços do diesel e da gasolina estão em níveis corretos. Se fosse isso, ele chamaria o Guedes e pediria uma aula. Mas não: instigado pelo seu grupo de raiz, ele acha que os aumento dos combustíveis é uma conspiração de inimigos comunistas com o objetivo de criar um clima de caos social que abale ou derrube seu governo.

Exagero?

Também pensei isso quando comecei a trata do tema. A ideia de que a Petrobras está tomada por petistas que querem derrubar o “mito” aparece com frequência nas redes bolsonaristas.

Nossa primeira reação é um riso entre conformado e inquieto. “Esses caras são malucos” – é o comentário que se segue. Roberto Campos chefiando uma malta de esquerdistas?

Mas, depois, quando se compara o teor das redes com as falas de Bolsonaro, a conclusão é outra. Preocupante.

Diz o presidente que a Petrobras está cheia de gente que não trabalha – a começar pelo seu presidente – e que tem muita coisa muito errada na companhia. E que isso logo será revelado.

Isso é tão grave que os conselheiros da companhia, por unanimidade, incluindo, pois, os bolsonaristas, decidiram interpelar formalmente Bolsonaro por aquelas declarações. Ocorre que se tem “muita coisa errada”, os conselheiros são legalmente responsáveis por isso. Podem ser processados, inclusive na pessoa física, colocando em risco seus bens.

Ou seja, esse caso ainda terá implicações perigosas.

Tem mais. Quando se observa a fala de Bolsonaro sobre as medidas de restrição social, também aparece nitidamente a ideia de conspiração. Simples assim: governadores e prefeitos fecham a economia com o objetivo de provocar caos, desemprego e, de novo, jogar a culpa no governo federal.

Também aqui, o presidente não tem a menor intenção de entender as formas de circulação do vírus. Acha que isso é tudo conversa de quem quer derrubá-lo.

Tem mais. A diretoria do Banco do Brasil, pressionada pela crescente concorrência no setor, iniciou um plano de enxugamento, com a redução do número de agências e de funcionários.

Conspiração, claro. Vão fechar agências em pequenas cidades para indispor esse eleitorado, especialmente ligado ao agronegócio, contra Bolsonaro.

Deve ser por isso que o (ainda) presidente do BB, André Beltrão, nem se deu ao trabalho de tentar explicar. Simplesmente colocou o cargo à disposição. Vai cair fora.

Outra: ontem, no Twitter, o presidente escreveu, em péssimo português, como de costume, que o procurador símbolo da Lava Jato, Deltan Dallagnol, estava armando um complô contra a família Bolsonaro.

Como Lula, baseou-se naqueles diálogos roubados e não periciados. Não argumenta sobre a inocência de seus atos e de seus filhos. É complô, e pronto. De novo, como a defesa de Lula. Não tenta provar inocência do ex-presidente, mas afirma que Moro e Dallagnol forjaram tudo para derrubar o PT e favorecer Bolsonaro. Que, de sua vez, acha que é um complô para derrubá-lo e favorecer Lula.

Enquanto isso, o Congresso trata de se tornar impune e salvar todos os seus acusados de corrupção.

Ou seja, a Petrobrás não foi roubada, os empreiteiros não pagaram propinas e o vírus é um infiltrado.

 

Classifique esse artigo:

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (40 classificação, média: 4,55)
Loading...