Demoraram, hein?! - Sardenberg Portal oficial

Demoraram, hein?!

Coluna publicada em O Globo - Economia 7 de agosto de 2021

Demoraram, hein?!

 

Carlos Alberto Sardenberg

 

Vão me desculpar, mas tenho que citar a coluna de sábado passado – “Os crimes do presidente: quem vai punir?”

Em linguagem simples, dizia o seguinte: Bolsonaro passa dos limites todos os dias e ninguém vai fazer nada?

Bom, fizeram, em três atos.

Primeiro, o Tribunal Superior Eleitoral, por unanimidade, incluiu o presidente em um inquérito que pode levar à cassação da chapa de 2018 (Bolsonaro/Mourão) ou apenas do cabeça de chapa.

Depois, veio o manifesto de empresários, banqueiros, líderes religiosos, economistas, ex-ministros, ex-presidentes do Banco Central, intelectuais, artistas, enfim uma potente tomada de posição do capital, do PIB e da sociedade civil.

O manifesto não cita o nome de Bolsonaro – não queriam fulanizar, disseram alguns signatários – mas é obviamente contra ele e suas ameaças à democracia e ataques ao sistema eleitoral.

E já que foi assim, digo eu, deveriam, sim, ter fulanizado. Tem um fulano bem determinado que está ameaçando golpes.

De todo modo, o movimento se espalhou rapidamente, saiu de 260 assinaturas iniciais para 7 mil em três dias – e continua recebendo adesões no site eleicaoserespeita.org.

Enfim, cabe aqui um “antes tarde do que nunca”, como registraram alguns pesos-pesados do mundo econômico. Houve broncas ao pessoal do mercado financeiro, muito “leniente” diante da aproximação de uma dramática crise institucional.

No terceiro movimento, o presidente do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux, fulanizou na veia. Praticamente rompeu relações com o presidente da República ao cancelar a reunião entre os chefes dos três Poderes que ele mesmo, Fux, havia arranjado. E disse que fazia isso porque Bolsonaro se tornara uma ameaça à democracia e seu pilar, o sistema eleitoral.

Agora, Bolsonaro é alvo de três inquéritos, mas com um enorme obstáculo para o seu prosseguimento. O presidente só pode ser denunciado pelo Procurador Geral da República, Augusto Aras, que em vez de defender a sociedade e o estado de direito, tornou-se um quase advogado de Bolsonaro.

Fux chamou Aras para uma conversinha ontem. Ambos deram notas anódinas sobre a reunião, mas é óbvio que o presidente do STF não chamaria o PGR, neste momento, para tratar de abobrinhas. Claro que cobrou uma conduta responsável.

Parece que o inquérito do Tribunal Superior Eleitoral pode caminhar sem a intervenção do PGR. A ver.

A reação aos desmandos de Bolsonaro ficou tão nítida que o vice Mourão praticamente se candidatou a presidente.

Ele disse que a polarização Bolsonaro x Lula não é boa para o país porque há muitos eleitores que não querem votar nem em um nem no outro. Logo, um terceiro nome poderia atender esse eleitorado. Não poderia ser mais claro.

Claro, muito difícil ele conseguir montar essa candidatura para 2022. Mais possível (provável?) que seja chamado antes disso para um mandato tampão.

Bolsonaro sofreu ainda uma outra derrota, que foi a derrubada da proposta do voto impresso numa comissão especial da Câmara dos Deputados. Mesmo assim, o presidente da casa, Arthur Lira, pretende levar o projeto direto à votação em plenário. Quer agradar o presidente Bolsonaro que, desse modo, pode não vetar o bilionário fundo eleitoral.

Não parece uma jogada viável, pois o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco já disse que lá não passam nem o voto impresso nem outras mudanças no sistema eleitoral tramadas na Câmara.

Jogo em andamento, pois.

E uma barbaridade. No momento em que a população sofre com a pandemia, a inflação, a instabilidade econômica, a falta de perspectiva para novos empregos, a falta de aulas especialmente para os alunos mais pobres – a cúpula do poder se engalfinha em torno de questões próprias. E o presidente Bolsonaro propositadamente sabota e tumultua.

Tudo considerado, foi muito bom o conjunto de reações ao presidente. Continuamos diante de uma crise institucional, mas setores cruciais da sociedade e do Judiciário tomaram posição.

Mas demoraram, hein?

Tomara que ainda esteja em tempo.

Classifique esse artigo:

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (18 classificação, média: 4,39)
Loading...