Bolsonaro não é Trump - Sardenberg Portal oficial

Bolsonaro não é Trump

Coluna publicada em O Globo - Economia 8 de janeiro de 2022

Bolsonaro não é Trump

 

Carlos Alberto Sardenberg

O ex-presidente Donald Trump concedia uma entrevista, com plateia favorável, quando lhe perguntaram se havia tomado a dose de reforço. Trump não apenas respondeu sim. Fez isso com claro entusiasmo.
Foi surpreendido com vaias. Não se intimidou. Apontou o dedo para o grupo que vaiava e comentou que se tratava de uma minoria. Era mesmo.
Como conciliar isso com a atitude francamente negacionista dos republicanos e do próprio Trump? São contra qualquer medida que torne a vacina mandatória – como ocorre quando uma empresa só emprega vacinados ou quando um estabelecimento só permite a entrada de quem apresentar o certificado vacinal.
Para os republicanos, essas regras restringem a liberdade individual, configuram uma quase ditadura.

Nesse caso, vacinar-se não é contraditório?
Parece. E, de fato, 60% dos americanos não vacinados se declaravam republicanos – isso em outubro, conforme pesquisa citada pelo economista Paul Krugman, em coluna no N.Y.Times.
A explosão da Omicron vem sendo chamada de “histeria irracional” por lideranças republicanas do primeiro time.
E entretanto, Trump se vacinou e contou isso para todo mundo.

Qual a lógica?
Trata-se de política, não de ciência, sugere o mesmo Krugman. A hipótese é a seguinte: mesmo sabendo que a pandemia é grave e que a vacina funciona, os chefões republicanos fazem campanhas negacionistas para, primeiro, fidelizar sua base de ignorantes e, segundo, atrapalhar o governo do democrata Biden, criar caso, gerar medo e insegurança, sentimentos que sempre se voltam contra o presidente de plantão.
É extremamente cruel fazer política com a morte de pessoas de milhares de pessoas. É pura maldade, mas faz lógica para quem está na oposição e não se guia pelos valores morais.
Tudo isso para dizer que o presidente Bolsonaro e sua turma não agem como os republicanos dos Estados Unidos. Bolsonaro está no governo. Seu negacionismo, que leva medo e insegurança a milhões de brasileiros, age contra o próprio bolsonarismo. Ao contrário de Trump, que se vacina, Bolsonaro não se vacina e acredita mesmo em todas aquelas asneiras que se fala sobre os imunizantes e que tentam minimizar a pandemia.
Ele acha mesmo que existem por aqui “os tarados da vacina”, acredita que crianças não morrem de Covid, embora os dados provem o contrário, e desconfia mesmo que a Anvisa age com base em escusos interesses.
Não prova nada, assim como nunca provou que as urnas eletrônicas podem ser fraudadas.
Trata-se de um negacionismo realmente ignorante e não uma tática política. A consequência política é contra Bolsonaro. Basta olhar pesquisas mostrando que metade dos que votaram no “mito” já o abandonaram. São os que votaram em Bolsonaro por medo de Lula, mas são aqueles que se vacinam e temem pelas suas vidas no ambiente de pandemia.
Trump mandou invadir o Capitólio para tentar reverter a derrota que sofrera nas urnas. Até hoje ele diz que a eleição foi uma fraude.
Bolsonaro tentou um golpe no 7 de setembro, numa ação tão estapafúrdia que quase levou à sua própria queda. E continua dizendo que houve fraude na eleição que ganhou com relativa folga.
Trump joga com as palavras, Bolsonaro acredita nas bobagens que diz, como se estivesse numa mesa de botequim.
Trump é esperto. Bolsonaro é um tolo que se elegeu por uma incrível combinação de circunstâncias políticas e acasos.
Trump sabe o que faz na oposição. Bolsonaro age contra seu próprio governo, uma mistura de incompetência e ideias (ideias?) ruins.
Trump continua exercendo a liderança que construiu num programa de televisão. Bolsonaro continua como um deputado do baixo clero, de onde nunca deveria ter saído.
Por tudo isso, sua reeleição é altamente improvável. Não se pode dizer impossível porque, enfim, já aconteceu uma vez.
Mas em circunstâncias normais, a questão política hoje é saber quem será adversário para Lula. Em um ano ruim para a economia, ainda não se sabe quem vai apontar um rumo para a retomada do crescimento. Não é Lula, pelo que têm dito o candidato e seus seguidores.

Classifique esse artigo:

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (13 classificação, média: 4,00)
Loading...