Ao mercado! - Sardenberg Portal oficial

Ao mercado!

Coluna publicada em O Globo - Economia 5 de junho de 2021

Ao mercado!
Carlos Alberto Sardenberg

De onde vem a animação do mercado financeiro? Pandemia, número de mortos crescendo, vacinas para poucos, quase 15 milhões de desempregados – e a Bolsa bate recordes quase todo dia.
Antes de examinar as explicações do próprio mercado, convém descartar algumas respostas mais amplas, políticas por assim dizer.
Primeiro, a euforia não vem de Bolsonaro e seu negacionismo. Gente educada, a turma do mercado torce o nariz para o presidente e suas insanidades. Além do mais, os índices de popularidade de Bolsonaro estão muito baixos, enquanto sobem os de Lula.
Aliás, aí está uma segunda resposta. O mercado não manifesta a menor inquietação com a subida de Lula. Muitos até acham que a situação pode melhorar. E se for o Lulinha paz e amor? Muitos analistas acham que Lula terá que tomar esse caminho em direção ao centro justamente para impedir o surgimento de uma verdadeira candidatura de centro. Se esta não aparecer, não demora muito para que Lula entre nos cenários otimistas do mercado.
Vamos lembrar: o governo Lula foi a farra das grandes empresas, dos campeões nacionais, dos negócios do capitalismo de amigos. Entregou a esse pessoal muito mais que Guedes.
Eis, por sinal, uma terceira resposta: a animação não vem de Guedes, alvo de frequentes piadas nas mesas de operação.
Do ponto de vista econômico, há uma boa explicação para a valorização das ações: quais empresas estão na Bolsa? As grandes, as boas, aquelas com maior capacidade de resistir à crise e aproveitar oportunidades. Exemplo evidente: Magalu. A varejista de lojas físicas tornou-se uma gigante do comércio eletrônico.
E quem investe? Obviamente as pessoas que têm dinheiro – recursos, por exemplo, retirados da renda fixa. Ou profissionais que puderam manter seus empregos trabalhando em casa, com menos despesas e mais poupança.
Nossa Bolsa é modesta em tamanho, suscetível, portanto, a pequenos movimentos.
Tem outra história. O pessoal do mercado entende que o Congresso está funcionando melhor com a dupla Rodrigo Pacheco no Senado e Arthur Lira na Câmara. Entende que muitos avanços já foram feitos na agenda de reformas e privatizações, com a votação da independência do Banco Central e o avanço na tramitação da reforma tributária.
Está longe de ser a reforma dos sonhos, mas melhor que nada.
Somando-se a isso o bom momento externo, com a forte recuperação dos Estados Unidos e a marcha constante da China, entra o novo boom das comodities brasileiras. A agropecuária, mineração, papel e celulose puxam atividades paralelas. Finalmente, os juros baratos deram um bom avanço à construção civil.
Ponha tudo isso nas contas e dá um crescimento superior a 5% neste ano, como já se vê nos relatórios de bancos e consultorias. Esse crescimento, depois de uma recessão forte. antecedida por anos de expansão medíocre de 1% ao ano, é muito pouco.
Mas de novo, é o que se tem.
E quem quiser um pouco mais de otimismo nisso tudo, basta acrescentar a possibilidade de que toda a população esteja vacinada até o final deste ano.
Tem muito “se” nessa história e algumas coisas deixadas de lado. Há uma inflação aparecendo no mundo desenvolvido, o que pode levar a uma alta de juros nos EUA. Muitos economistas de lá já dizem que se colocou muita água na bacia, ou seja, que os estímulos monetários passaram do ponto. Se os juros subirem nos EUA, as coisas se complicam por aqui, com mais desvalorização do real, mais inflação e, pois, mais juros.
Finalmente, ninguém do mercado está considerando a possibilidade de uma crise política grave, provocada por Bolsonaro quando se sentir ameaçado. E ele próprio como que anuncia a crise ao dizer que não aceitará outro resultado em 2022 que não seja sua vitória, cada vez mais difícil.
Ulysses Guimarães dizia que de se em se a gente constrói uma Paris. Logo, ao mercado!

Classifique esse artigo:

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (16 classificação, média: 4,06)
Loading...