No desespero - Sardenberg

No desespero

Coluna publicada em O Globo - 18 de janeiro de 2018

É um claro sinal de desespero essa radicalização do PT na medida em que se aproxima o julgamento de Lula no Tribunal Regional Federal de Porto Alegre.

Há um componente de agitação e propaganda nesse movimento – uma última tentativa de intimidar o Judiciário – mas tem aí uma questão pessoal.
         Trata-se do futuro profissional, do meio de vida mesmo, de grande parte dos quadros do PT. Estamos falando daqueles que só trabalham em três ambientes: no próprio partido, nos sindicatos e nos governos.  São pessoas que praticamente largaram suas profissões para se dedicar inteiramente à atividade política.
         Lula, claro, é o exemplo maior. Mas há outros milhares que descreveram a mesma trajetória de vida. São operários, advogados, médicos, engenheiros, técnicos de diversas áreas, jornalistas, que há muitos anos não têm qualquer atividade no setor privado da economia.
         Podem reparar nos currículos. O sujeito é membro do partido, diretor do sindicato, depois aparece como secretário de alguma prefeitura, vai para um DAS no governo federal, assume um posto em governo estadual, uma bela assessoria em estatal – e assim vai, de administração em administração, de cidade em cidade, sempre acompanhando as vitórias do PT.
         Os funcionários públicos concursados, como os professores, estão em parte protegidos pelas generosas regras do setor, entre as quais a estabilidade. O PT perde a eleição, o sujeito perde o cargo no governo e volta para a repartição. Mas como um simples peão. Tem um garantido mensal, mas perde gratificações, DAS, jetons por participação em conselhos de estatais, perde poder.
         Eis um ponto pouco comentado, mas que está nas preocupações internas dos militantes.
         Isso, aliás, explica grande parte dessa adesão cega a Lula. Tem o fervor político, claro, mas, convenhamos, é coisa de poucos. Os outros, inclusive por terem participado de campanhas e governos, sabem que é tudo verdade: caixa dois, desvio de dinheiro para o partido e para bolsos pessoais. Sabem que Lula se beneficiou pessoalmente desses esquemas – e sabem que a Lava Jato descobriu tudo isso, com provas, sim senhor. Os que não sabiam e ficaram chocados já deixaram os partidos.
         Os demais lutam pela sobrevivência. Já houve um primeiro desmoronamento nas eleições municipais de 2016. Milhares de cargos foram perdidos pelo PT e associados. Um segundo cataclismo, nas eleições deste ano, seria devastador.
         Daí o desespero – condição que frequentemente leva a decisões equivocadas.
         Ameaçar o Judiciário, por exemplo, é um baita erro. Mas o que fazer quando se sabe que não há saída jurídica? Na verdade, há uma alternativa – a delação premiada. Lógico: o sujeito é apanhado, sabe que a Lava Jato tem provas, faz o que? Colaboração.
         Como Lula não pode fazer isso, sobra o que? Ir para o  confronto, o desafio ao Judiciário, a ameaça de incendiar as ruas.
         Esse confronto é politicamente ruim. Só agrada mesmo à militância cega. Assusta a maior parte da sociedade com a volta do PT radical, daquele Lula antes de fazer a barba, aparar o cabelo, vestir um terno Ricardo de Almeida com gravata Hermes e falar manso.
         Quase um suicídio?
         Aqui entra outra, digamos, convicção de Lula e seus mais próximos colaboradores. A de que ele consegue mudar o discurso a qualquer momento, de modo convincente. O radicalismo pré-julgamento seria só uma fase. Depois, na hipótese improvável da absolvição, volta-se para o paz e amor.
         Na hipótese provável da condenação, vem agitação, mas a aposta maior será ganhar tempo com as recursos. Não será surpresa se aparecerem nessa fase declarações elogiosas aos tribunais superiores.
         Veremos.
         De todo modo, o que importa para Lula e seus militantes é salvar algum naco de poder. O que explica, por exemplo, as negociações partidárias nos Estados com os golpistas do PMDB. Vale tudo pelos cargos e para estar no governo, qualquer governo.

Classifique esse artigo:

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (Sem classificação!)
Loading...