Jornalistas, não robôs (2) - Sardenberg

Jornalistas, não robôs (2)

Coluna publicada em O Globo - Economia 13 de setembro de 2018

Dos comentários a propósito da coluna da semana passada, um merece atenção especial por colocar questão chave: os jornalistas podem ou devem tomar partido? Podem ou devem escolher um lado?

Eis o ponto levantado pelo leitor, a propósito das entrevistas do JN: quando o entrevistado era Alckmin, os âncoras contestaram o caráter ético da grande aliança formada pelo candidato, perguntando que transações havia feito para sustentar tal base. Já quando o candidato não tinha essa base, continua nosso leitor, os entrevistadores perguntavam como ele poderia fazer reformas sem amplo apoio no Congresso.

E conclui o leitor: “o jornalista, para ser levado a sério, deveria decidir antes qual das duas posições é a correta. Se vale a pena ter base de apoio, cabia parabenizar Alckmin. Se não, parabenizar os outros. Pau nuns, e pau no outro, é falta de critério”.

É critério jornalístico. Trata-se de questionar cada candidato sobre suas ideias, seus planos, seu passado. Não se trata de aderir ou não a um programa, de parabenizar ou dar pau. Se o candidato monta uma determinada aliança e se propõe governar com ela, cabe, sim, perguntar sobre a natureza ética e política da base.

Inversamente, se o candidato a presidente, com base política restrita, faz um monte de promessas, cabe perguntar como espera conseguir a aprovação do Congresso.

Nas entrevistas do JN, a pergunta sobre falta de alianças foi feita a Ciro. Dada a dificuldade do candidato em negociar uma chapa eleitoral mais ampla, inclusive por conta de seu temperamento, cabia perguntar como ele pretenderia formar uma aliança de governo.

A entrevista não pode ser propaganda. Não se trata de exibir o programa do candidato, mas de tentar mostrar ao público como ele é – pelo que fala e disse, pelo que faz e fez, com quem anda e com quem não anda.

Se o candidato promete ética e tem pessoas acusadas de corrupção entre seus aliados, esse é até um tema óbvio da entrevista; se outro promete reformas constitucionais, que exigem ampla maioria no Congresso, é obrigatório questionar sua capacidade de aprová-las.

Tudo considerado, a resposta às perguntas colocadas no primeiro parágrafo resulta evidente: não, o jornalista não deve tomar partido nem escolher lado quando faz reportagens e entrevistas.

Jornalistas e os veículos de mídia que assumem um programa partidário, político ou religioso ou ambos, estão fora do campo da imprensa livre e independente.

A situação é diferente quando se trata das páginas de opinião e editoriais. Um veículo, no seu editorial e avisando isso para seu público, pode dizer que considera tal candidato o mais adequado. Jornais americanos costumam fazer isso. Já nos veículos Globo, não se faz.

Um comentarista pode e deve sustentar teses, um determinado projeto para o país. Por exemplo: o Brasil não tem futuro se não for feito um ajuste consistente nas contas públicas, com reforma da previdência. Também poderia, usando o mesmo critério do editorial, apoiar um determinado candidato.

Mas não deve, nem precisa. Sustentando um projeto, uma ideia de país, o comentarista já oferece ao público os dados para que este entenda e selecione este ou aquele candidato.

Comentaristas americanos e europeus endossam candidatos. Nos veículos Globo, isso não é permitido.

Mas se jornalistas não podem ter programa, devem ter princípios: liberdade, democracia, oportunidades iguais, independência.

Há sutilezas, claro. Por exemplo: é possível demonstrar por um mais um que o estado brasileiro está falido e que déficits frequentes empobrecem o país e a população. Mas como arrumar as contas públicas? Quais gastos cortar? Onde gastar mais? Quais impostos eliminar? Quais introduzir? Quem paga a conta? Aqui já se trata de opção política.

No caso, o papel do jornalista é mostrar qual é a opção, os fatos e números e, sempre, questionar, duvidar, importunar. E, de novo, o público escolhe – onde vai se informar e em quem vai votar.

Classifique esse artigo:

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (16 classificação, média: 4,06)
Loading...