Tanto pró e tanto contra
Há um intenso debate sobre se a economia brasileira já saiu da recessão ou, se não, quando isso pode acontecer. Recessão quer dizer queda do Produto Interno Bruto (PIB), quando um país produz em um determinando período menos do em que momentos anteriores. Isso aconteceu em 2015, quando o PIB caiu espantosos 3,8%, e em 2016, provável redução do mesmo tamanho. Portanto, quase 9% de perda de produto em dois anos.

 
         O desastre estará superado apenas quando a economia recuperar essa perda. Quando, por exemplo, a taxa de desemprego voltar para a casa dos 6%. Vai levar tempo longo. Mas o caminho começa com uma zeragem: quando o PIB parar de cair, teremos deixado a recessão para trás e iniciado o processo de recuperação.
 
         Isso já estaria acontecendo neste ano de 2017?
 
         Listo aqui primeiro os fatores que puxam o Brasil para baixo e os que empurram para cima. Fatores já em andamento. E depois as perspectivas positivas e negativas.
 
         O que puxa para baixo:
 
         Desemprego - 12,5 milhões pessoas sem trabalho é um enorme drama familiar e um efeito econômico grave: reduz o consumo das famílias, poderoso motor do PIB.
 
         Endividamento das famílias e das empresas - há um excesso de dívidas formadas no período do crédito fácil, frequentemente subsidiado e sem critério e, no caso das empresas, apoiando os empresários amigos do governo petista. O momento é de reduzir dívidas, o que, de novo, reduz consumo e investimentos.
 
         Crise fiscal dos Estados - Rio, Minas e Rio Grande do Sul tem PIBs regionais fortes. A falta de dinheiro afeta todos os setores da economia local.
 
         O que puxa o Brasil para cima:
 
         Safra agrícola 2016/17 , excelente, acima dos padrões. Deve ter um valor bruto de R$ 545 bilhões, renda espalhada por todo o interior brasileiro. Vai gerar preços de alimentos comportados e mais excedentes de exportação. Aliás, as exportações de carne já iniciaram janeiro detonando.
 
         Liberação das contas inativas do FGTS - nada menos que R$ 43 bilhões, estimativa da Caixa, que chegarão aos bolsos de 30 milhões de trabalhadores. É dinheiro, algo 0,7% do PIB, que poderá ser usado para abatimento de dívidas e consumo novo.
 
         Queda forte da inflação (IPCA de janeiro, divulgado ontem, foi recorde de baixa), preserva a renda das famílias e dá ganho para quem obteve reajustes salariais acima de 5% no ano passado.
 
         Queda acentuada dos juros - poderoso estímulo ao investimento.
 
         Daqui para a frente, o que pode atrapalhar:
 
         Crise política em Brasília, que bloqueie a atividade do governo e do Congresso, impedindo a votação das reformas.
 
         E aqui cabe uma observação: essa crise pode surgir com as delações da Odebrecht e as investigações decorrentes dela. Vai daí, simplificando, se diz que a Lava Jato pode atrapalhar - escorregada que nós mesmos demos em comentário no Jornal da Globo na última terça. Mas logo corrigida com o seguinte ponto: a Lava Jata é favorável ao Brasil, muda para melhor a política, o comportamento ético e a economia, neste caso, ao tornar evidente os malefícios do capitalismo dos amigos do governo. E abre espaço para uma política correta e um capitalismo de verdade, onde a eficiência e a competição valem mais que a propina paga ao governante de plantão.
 
         Dito isto, é preciso notar que a Lava Jato vai atingir autoridades que estão no comando do governo e do Congresso. Esses políticos apanhados podem simplesmente cair fora, por vontade ou forçados. Nesse caso, sem problemas. São substituídos e segue a recuperação.
 
         Provavelmente, porém, vão espernear, se agarrar no cargo e tentar sabotar a Lava Jato com a ajuda de amigos no Judiciário e no governo. Isso levará a atrasos na política econômica. Paciência: a responsabilidade será dos políticos corruptos e coniventes. O país não sai da crise se eles forem perdoados. Portanto, o caminho é seguir é apoiar a Lava Jato na busca da punição nos tribunais e esperar que o povo mude nas eleições - o que , aliás, já fez em boa parte nas eleições municipais.
 
         E o pode empurrar para cima?
 
         Reformas previdenciária, trabalhista e algo de tributária sendo votadas no Congresso neste ano. É boa a chance, dada a maioria de Temer.
 
         Concessões de obras de infraestrutura, coisa que depende da agilidade do governo federal.
 
         E novos investimentos em petróleo, o que também da agilidade do governo em montar os leilões. Isso depende de uma mudança importante na lei de conteúdo nacional, uma herança petista, que atrasa e encarece os investimentos.
 
         Uma pela outra, o pessoal, na média, acha que o Brasil cresce um pouquinho neste ano (0,5%), saindo do zero neste primeiro trimestre e chegando ao final do ano com um ritmo de expansão mais forte. Isso preparando um PIB superior a 2% em 2018.
 
         A ver.

Artigos Populares